sábado, dezembro 27, 2008

A Vida em Doses Cabais


Todo amor tem sua dose de ilusão.
Todo trabalho tem sua dose de escravidão.
Todo dizer tem sua dose de narcisismo.
Todo responder tem sua dose de auto-comiseração.
Todo olhar tem sua dose de prazer.
Toda revolta tem sua dose de insânia.
Toda amizade tem sua dose de si-mesmo.
Todo chorar tem sua dose de desespero.
Todo desesperar-se tem sua dose de vazio.
Todo sorrir tem sua dose de verdade própria.
Toda criatividade tem sua dose de fuga.
Toda poesia tem sua dose de nada.
E todo nada é refúgio e esconderijo do tudo.
Todo poemizar tem sua dose de fingimento.
("O poeta é um fingidor"...)
Toda filantropia tem sua dose de egoísmo.
Toda bondade tem sua dose de enganação.
Toda verdade tem sua dose de mentira.
Toda utilidade tem sua dose do que é vão.
Todo novo tem sua dose do velho.
Toda dor tem sua dose de auto tapeação.
Todo sentimento, enfim, tem sua dose de um oposto.
...
Mas o que é o oposto?
...

2 comentários:

Leveza de ser. disse...

O oposto é aquilo que significa o que não é, e representa exatamente isto. É o outro lado da coisa que é. É o não-é. Nesse sentido.
Mas pode ser exatamente o oposto da definição que eu dei.
=]

Clara Nina disse...

O vazio é um meio de transporte
Pra quem tem coração cheio
Cheio de vazios que transbordam
Seus sentidos pelo meio
Meio que circunda o infinito
Tão bonito de tão feio
Feio que ensina e que termina
Começando outro passeio

E lá do outro lado do céu
Alguém derrama num papel
Novos poemas de amor

Amor é o nome que se dá
Quando se percebe o olhar alheio
Alheio a tudo que não for
Aquilo que está dentro do teu seio
Porque seio é o alimento
E ao mesmo tempo a fonte para o desbloqueio
E desbloqueio é quando aquele tal vazio
Se transforma em amor que veio


ja ouviu essa música: so lembrei dela qndo li teu texto.. beijoooo